22 de mai de 2018

Veganismo é o movimento de direitos dos animais não-humanos. E apenas deles

Donald Watson, pioneiro vegano
Depois de alguns debates no Facebook, me senti compelido a escrever esse post porque uma verdade tão simples, a de que o veganismo se dedica aos direitos dos animais como ele foi vislumbrado por Donald Watson em 1944, está sendo distorcida por alguns ativistas, que insistem em colocar o animal humano em uma luta que não é, por definição, focada nele. O especismo e a supremacia humana encontram maneiras insidiosas com máscaras de boa intenção para diluir e reclamar o foco dos animais não-humanos para os humanos.

O debate em que eu percebi que era necessário me manifestar foi um no qual uma pessoa no Facebook se dizia triste e indignada com o fato de alguns veganos, segundo sua percepção, não se importarem se seres humanos são mortos etc. Sua fala sugeria que veganos supostamente ‘reacionários’ não são veganos de verdade. Aqui obviamente temos um exemplo de debate de rede social, onde as pessoas se sentem a vontade para fazer generalizações sem se importar com exemplos concretos e nuance e, desta forma, impressões se espalham como fatos.

Apesar de provavelmente concordar com essa pessoa em questões de direitos humanos, eu tenho que discordar que o veganismo de qualquer pessoa é afetado por sua opinião sobre questões humanas. O ser humano é cheio de paradoxos. Quantos ativistas nas muitas áreas de direitos humanos comem carne e acham que animais não merecem consideração? Provavelmente a maioria. E no entanto, esses mesmos veganos, que se chocam tanto com o que outros veganos supostamente pensam sobre questões não-veganas, não parecem ficar tão indignados com o especismo de outros ativistas. Se todas as lutas são as mesmas, então todos os preconceitos deveriam também ser igualmente repugnantes.

Mas isso não acontece, pelo menos eu nunca encontrei um exemplo de crítica vinda de veganos-juízes direcionadas a outros grupos por serem reacionários em relação aos animais. E aqui eu postulo que essa indignação seletiva é fruto do especismo internalizado de muitos veganos. O especismo é uma lente de distorção moral que muitos veganos simplesmente não conseguem remover. Talvez sintam uma necessidade de justificar seu veganismo colocando o ser humano em um lugar de destaque - e acima - dos outros animais.

Durante a mesma conversa, uma outra pessoa disse: “Mas os seres humanos também são animais”, implicitamente sugerindo que, diante desse fato irrefutável, os seres humanos são objetos de interesse do veganismo em si. Todos sabemos que os seres humanos são animais, mas a maioria dos seres humanos, inclusive os que lutam por direitos, não reconhecem esse fato e, na verdade, se sentem ofendidos se forem comparados com animais. Além disso, o fato de compartilharmos animalidade com os humanos não resolve em nada a situação dos animais – se assim o fosse, o veganismo não seria necessário. A questão não é que somos todos animais, mas sim que os animais não-humanos não são tratados como pessoas. O foco do veganismo não é a esfera biológica, mas sim a ética, a política e a cultural. Nessas arenas, um golfo enorme se abre entre os humanos e os não humanos, golfo esse cavado e mantido pela nossa herança antropocêntrica e especista. Dizer que os seres humanos são também animais para incluir animais humanos revela uma confusão disciplinar e ignorância da ontologia vegana, além também uma certa dose de desonestidade intelectual.

Mesmo os movimentos de direitos humanos reconhecem que suas lutas não podem ser universais. Quando o movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) surgiu, algumas pessoas criaram um contra-slogan dizendo que All Lives Matter (Todas as Vidas Importam). Essa reação foi prontamente refutada porque ela ignora as especificidades da experiência de ser negro. É uma forma de racismo velada porque na verdade nega o racismo e afirma que toda a humanidade passa pela mesma experiência de opressão, o que não é verdade. O mesmo absurdo seria esperar que o feminismo incluísse os homens em seu discurso, embora obviamente o homem se beneficia da igualdade de gêneros.

Toda essa discussão me faz concluir que muitas pessoas estão se ocupando mais do comportamento de outros veganos do que na libertação animal em si. Mais uma vez reitero: veganismo é sobre os direitos dos animais e não sobre outros veganos. O veganismo é um movimento ético e não um movimento moralista. Não é uma religião ou culto que se ocupa de patrulhamento ideológico ou moral de seus membros. Diminuir o sofrimento animal causado pelo ser humano é uma tarefa gigantesca demais para perdermos tempo e desviarmos o foco.

Isaac Bashevis Singer
Eu pessoalmente me oponho a qualquer forma de discriminação e injustiça com os animais humanos ou não. Mas me propus a dar meu tempo à causa dos animais não-humanos porque a escala da opressão contra eles é maior do que qualquer outra forma de opressão. Todos os grupos humanos, inclusive minorias oprimidas, oprimem os animais não-humanos. Seus corpos são tratados de forma mais brutal do que produtos. São tratados como mercadorias e propriedade; são jogados em caminhões e navios para serem transportados. As fêmeas tem seus corpos invadidos para reproduzirem mais escravos. Os animais ainda livres tem seus habitats destruídos para serem ocupados pelos humanos e suas atividades. Bilhões são cortados vivos em matadouros. Como disse o grande escritor Isaac Bashevis Singer, o ser humano transformou o mundo em um grande campo de concentração para as outras espécies. Devemos reconhecer isso e concentrar no denominador comum que existe entre os veganos -  uma ânsia pela abolição animal -  e não em nossas diferenças. O ser humano é paradoxal e moralmente imperfeito. Julgar outros veganos não vai fazer nada pelos animais, apenas inflar o ego de quem o faz. 

21 de mai de 2018

IBOPE: Vegetarianismo cresce no Brasil

16 de mai de 2018

Veganismo: uma causa de esquerda?

Uma ótima reflexão de Sérgio Greig para a ANDA

O veganismo é direitos animais na prática. Infelizmente, eu tenho notado uma crescente tendência de veganismo interseccional que equivocadamente incorpora causas humanas no veganismo porque os 'seres humanos também são animais'. 

Biologicamente, isso é óbvio, mas sabemos que a grande opressão dos animais, o especismo, é resultado exatamente do antropocentrismo que enxerga o ser humano como estando a parte dos animais. Evidência disso é como qualquer grupo humano se sente inferiorizado se comparado com outros animais. 

Portanto, o veganismo deve focar exclusivamente em animais não-humanos. A causa tem características únicas e toda a humanidade, minorias incluídas, oprime os animais.

15 de mai de 2018

Crivella assassina animais durante implosão do IBGE

Votem nesses evangélicos frios e desumanos! É nisso que dá!



Relato de Rosana Guerra, via Facebook:

"No domingo dia das mães,o prédio do IBGE localizado na Mangueira, foi demolido, mesmo sob protesto de protetores e ativistas da causa animal, que alegavam ainda haver vários animais dentro do edifício e nas imediações.

Nenhum protetor ou ativista era contra a demolição do prédio em questão,a preocupação era única e exclusiva com possíveis vidas que poderiam vir a sucumbir com a implosão.

Um resgatista profissional implorou para fazer uma varredura antes da implosão e o acesso lhe foi negado. Ainda assim,ele conseguiu resgatar três felinos dentro do pouco tempo que lhe foi permitido.

Essa gestão trata de forma criminosa os animais inocentes dessa cidade. O prédio foi implodido e não sabemos quantos animais foram vítimas desse ato desumano e cruel!

A prefeitura do RJ mente quando diz que todos os animais foram retirados. Há relatos de moradores e de protetores que estiveram no local e puderam constatar que muitos desses animais ainda se encontravam nas imediações. Ontem alguns sobreviventes voltaram aos escombros onde um dia antes era sua morada e mais uma vez a prefeitura usou da crueldade não permitindo que protetores os alimentasse.

Os que não morreram na implosão, com essa medida certamente morrerão de fome!!
Quem puder da lar temporário ou adotar um cãozinho ou gatinho do antigo prédio do IBGE, por favor vá até o local e salve ao menos um."


8 de mai de 2018

Guggenheim Bilbao vai abrir exposição com crueldade animal

Uma exposição que foi cancelada em Nova Iorque por incluir animais vivos como suporte está agendada para abrir no Guggenheim de Bilbao, na Espanha. A exposição inclui insetos e vídeos de porcos copulando, além de uma rinha de cães.

A desculpa do museu é que se trata de liberdade de expressão. Mas a liberdade de expressão não supera o direito à vida e ao bem estar de outros seres senscientes. Essa ginástica ética do museu é uma hipocrisia disfarçada de discurso libertário.

Na sexta dia 11 haverá um protesto perto do museu.

5 de mai de 2018

Porco se despede de parceiro

Em um santuário de animais resgatados, alguém registrou essa cena de ternura e que mostra que animais entendem a morte e sentem a dor da separação. Muito lindo.

28 de abr de 2018

Governo Macron na França em cruzada antivegetariana

O legislador francês Jean Baptiste Moreau, do mesmo partido que o presidente mauricinho Macron, decretou que produtos vegetarianos não podem ser chamados de 'salsicha' ou outros nomes que, segundo ele, levam o consumidor a ser enganado, porque esperam que o produto tenha carne.

A medida é obviamente um ataque ao mercado de produtos sem crueldade, e demonstra onde exatamente esse partido En Marche! de Macron se situa na França: no mesmo palanque que os fazendeiros do agronegócio que vivem do sangue alheio.

Não se iluda com esse Collor de Melo francês fazendo discurso nos EUA sobre meio ambiente: ele é um neo-liberal que faz política para os grupos econômicos.